sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Teologia Pentecostal

Espiritualidade Pentecostal: O que é ser espiritual? Parte 01

O que é ser espiritual? O que é espiritualidade? Como alguém se torna espiritual? Quais são os sinais de um cristão espiritual? Essas são perguntas constantes e importantes para uma vida cristã saudável. A correta definição de espiritualidade é imprescindível para qualquer crente, pois é um assunto onde há muitos equívocos. É necessário a correta compreensão dessa verdade, para que a sua prática se torne possível.

A definição de espiritualidade não é simples, pois muitos assuntos e práticas contraditórias, às vezes, são definidas como espiritualidade. Espiritualidade pode ser entendida como “um grupo de atitudes e sentimentos que são externados pela crença e valores que caracterizam uma comunidade religiosa específica”[1]. Ou seja, a espiritualidade são as manifestações externas e visíveis do homem espiritual. Mas o que é ser um homem espiritual? O homem espiritual é “literalmente, o homem controlado pelo Espírito Santo”[2], ou seja, “denota a pessoa regenerada, isto é, que tem o Espírito Santo”[3]. Em relação ao assunto é necessário compreender que:


a) espiritualidade não é o mesmo que espiritualismo.

O espiritualismo busca por práticas místicas que tem o propósito de alcançar a felicidade interior, ou seja, o místico é visto como um meio de plenitude espiritual e um meio de prazer e satisfação. O espiritualismo é comum nas diversas religiões orientas, na Nova Era e nas seitas não-organizacionais. A busca do espiritualista é a felicidade por meio de seus rituais e superstições.

A espiritualidade cristã, bíblica, ortodoxa difere do espiritualismo oriental. O homem espiritual, primeiro deseja ser santo em lugar de ser feliz, como escreveu A. W. Tozer:


A busca da felicidade, tão difundida entre os cristãos que professam uma santidade superior, é a prova suficiente de que tal santidade não se acha presente. O homem verdadeiramente espiritual sabe que Deus dará abundância de alegria no momento em que possamos recebê-la sem prejudicar a nossa alma, mas não exige obtê-la imediatamente. [4]


Assim com Tozer, Donald Gee, grande teólogo pentecostal do Século XX, escreveu sobre o fascínio da igreja atual pela busca primeira da felicidade e sua fraca espiritualidade tendenciosa a apostasia:


Pode ser que eu esteja errado, mas uma das coisas que percebo no reavivamento moderno é a grande tendência de manter a congregação feliz (...) se eu entendo a minha Bíblia, um reavivamento verdadeiro começa por fazer todos infelizes. A verdadeira felicidade começa com a infelicidade, com a preocupação dos pecadores. Outra coisa que me preocupa é a apostasia fácil hoje em dia. Meu receio é que da mesma maneira rápida como as pessoas vêm, elas se vão.[5]


Hoje é muito comum as pessoas buscarem o poder de Deus para se sentir bem ou com auto-estima. Buscam poder dos céus para se sentirem poderosos na terra. Essa é uma falsa espiritualidade. Nesse fascínio do prazer e hedonismo espiritual, as pessoas optam por práticas estranhas as Escrituras, como cantar “hinos” que parece mais uma “mantra” gospel ou se refugiam em retiros espirituais, onde as experiências novas e exóticas são valorizadas como um meio de comunhão com Deus. São cristãos que perderam o foco, pois trocaram o essencial pelo secundário.

A versão evangélica espiritualista é uma pessoa cheia de rituais, superstições e práticas estanhas ao Evangelho. O espiritualista gospel necessita de uma “fé” visível, palpável, ritualística; onde os “pontos de fé” são enaltecidos como um meio de alcançar bênçãos. São pessoas que restringem o relacionamento de Deus a situações espetaculares, vide a Bênção de Toronto.

O coração e o caráter cristão não é moldado em uma “reunião de avivamento”, ou com uma experiência espiritual instantânea. As experiências são capacitadoras para o serviço cristão, mas não moldam o caráter. Somente um relacionamento permanente, contínuo, sólido e baseado nas Escrituras, possibilitam o crente a desfrutar do Fruto do Espírito, que nada mais é do que o modus vivendi de Jesus sendo manifestado na vida do cristão. Então para ter o caráter de Cristo, não se deve buscar atalhos no espiritualismo, mas sim, continuamente permanecer em Cristo.

O espirituoso acha que ser espiritual é rezar em cima de milhos ou orar nos montes dos gravetos de fogo. O espirituosos definem espiritualidade pelo barulho, onde há muito barulho há muitos espirituais, por isso necessitam de um fé movida pelo espetáculos evangélicos e congressos shows, onde o circo é montado para entretenimento das massas.



b) espiritualidade não é o mesmo que legalismo.


Muitos confundem vida espiritual com legalismos. Pois se elas usam saias nos pés ou usam gravatas em todos os cultos, acham que isso é a essência da santidade. Legalismo é atribuir o favor divino e a salvação as obras praticadas. Infelizmente, há aqueles que acham que por “pagar o preço”, dos quais não são ordenados nas Escrituras, irão morar no céu ou alcançar bênçãos!

Ser espiritual não é ficar com “cara de piedoso” ou se restringir do bom lazer e saudáveis diversões. Ser espiritual não é usar saias nos pés e esquecer que a essência está na moderação. Ora, moderação é sinônimo de equilíbrio, portanto, quando Paulo (I Tm 2.9) e Pedro (I Pe 3.3) apelam para a moderação, eles estão apelando para o equilíbrio. Será que mini-saias ou roupas de muçulmanas é pautar pelo equilíbrio? Não seria esses os extremos perigosos da liberalidade e do legalismo? Esses extremos cortam uma verdadeira espiritualidade!

Há aqueles que pensam que ser espiritual é ter uma linguagem do “evangeliquês”. São pessoas que sempre usam chavões “bíblicos”, como chamar um irmão de “varão, bênção” ou vivem falando em voz de choro ou gritando com um desesperado.

O legalismo tenta moldar a espiritualidade para aspectos exteriores e não essenciais. Quando a bíblia adverte para um espírito quieto, humilde, moderado e um corpo com pudor e modéstia, o legalismo que medir os centímetros das roupas e definir que a beleza e o cuidado equilibrado do corpo não é importante. Ser legalista é um impedimento para verdadeira espiritualidade!


Continua...


Referências Bibliográficas:


01- ARAÚJO, Isael de. Dicionário do Movimento Pentecostal. 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. p 287.


02- GILBERTO, Antonio. Verdades Pentecostais. 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p.


03- STAMPS, Donald. Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2002. p. 1738


04- TOZER, A. W. Sinais do homem espiritual. Revista Obreiro. Rio de Janeiro: CPAD, ano 12, n° 48, Julho-Setembro, 1989, p 5.


05- GEE, Donald. Depois do Pentecostes. São Paulo: Editora VIDA. Cit. por GONÇALVES, José. Espiritualidade, Avivamento e Equilíbrio. Revista Manual do Obreiro. Rio de Janeiro: CPAD, ano 27, n° 29, Janeiro-Março, p. 40-45.

Um comentário:

Nguimba Ngola disse...

Achei este artigo interessante. de fato há exageros a evitar.

"Somente um relacionamento permanente, contínuo, sólido e baseado nas Escrituras, possibilitam o crente a desfrutar do Fruto do Espírito, que nada mais é do que o modus vivendi de Jesus sendo manifestado na vida do cristão"

Que a paz de Cristo esteja sobre nós.